Estudo a longo-prazo da prevalência e carga fecal de Eimeria spp. numa exploração tradicional Portuguesa de frangos do campo

  • João Lozano CIISA - Centro de Investigação Interdisciplinar em Sanidade Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade de Lisboa
  • Antonio Palomero Salinero COPAR Research Group, Faculty of Veterinary, University of Santiago de Compostela
  • Adriana Anaya Animal Production and Veterinary Medicine Research Group. Pedagogical and Technological University of Colombia
  • Estevam Lux-Hoppe LabEPar – Laboratory of Parasitic Diseases, São Paulo State University
  • Lídia Gomes CIISA - Centro de Investigação Interdisciplinar em Sanidade Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade de Lisboa
  • Manuela Oliveira CIISA - Centro de Investigação Interdisciplinar em Sanidade Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade de Lisboa
  • Adolfo Paz-Silva COPAR Research Group, Faculty of Veterinary, University of Santiago de Compostela
  • Maria Teresa Rebelo CESAM – Centre for Environmental and Marine Research, Department of Animal Biology - Faculty of Sciences, University of Lisbon
  • Luís Madeira de Carvalho CIISA - Centro de Investigação Interdisciplinar em Sanidade Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Frangos do Campo, Fatores de Produção, Parasitas gastrointestinais, Eimeria spp., Portugal

Resumo

Em produção de frangos do campo, o longo contacto dos animais com o ambiente exterior determina a sua exposição a um elevado espetro de parasitas gastrointestinais, nomeadamente coccídias, cuja prevalência nos bandos é influenciada por fatores bióticos e abióticos. O presente estudo a longo-prazo, pioneiro a nível nacional, procurou determinar a prevalência e cargas fecais de oocistos de Eimeria spp. numa exploração tradicional Portuguesa de frangos do campo, em condições de produção diferentes. Um total de 350 amostras fecais foram colhidas numa exploração de frangos do campo localizada a noroeste do distrito de Lisboa, Portugal, durante o período de 2018-2019, tendo sido analisados quatro grupos distintos de animais em fase de engorda. Técnicas coprológicas quantitativas e qualitativas foram implementadas para quantificar a prevalência e cargas fecais de Eimeria spp. A prevalência de coccídias foi maior nos grupos do Verão e Outono (72% e 80%, respetivamente), apesar de as cargas fecais de oocistos terem sido maiores no Outono e Inverno (1191 e 1562 Oocistos por Grama de Fezes (OPG)). Os animais revelaram sinais clínicos de coccidiose durante o estudo, especialmente na 1ª amostragem do Outono, com 42% das amostras fecais contendo sangue. A ausência de vazios sanitários, duração da fase de engorda (1 mês), curto período pré-patente das coccídias, exposição a diferentes condições ambientais e tratamentos irregulares com amprolium, foram fatores-chave responsáveis pelos diferentes cenários parasitários observados ao longo do estudo.

Publicado
2021-02-13
Como Citar
Lozano, J., Palomero Salinero, A., Anaya, A., Lux-Hoppe, E., Gomes, L., Oliveira, M., Paz-Silva, A., Teresa Rebelo, M., & Madeira de Carvalho, L. (2021). Estudo a longo-prazo da prevalência e carga fecal de Eimeria spp. numa exploração tradicional Portuguesa de frangos do campo. Revista Portuguesa De Zootecnia, (X), XXXX. Obtido de https://rpz.apez.pt/index.php/rpz/article/view/4

Dados de financiamento